Rodrigo Maia pede paciência para analisar pedidos de impeachment de Temer

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ),disse nesta quarta-feira que a entrega de pedidos de impeachment contra um presidente da República não é como um “drive-thru”, ou seja, uma entrega rápida. Aliado do governo, Maia negou que esteja “engavetando” os 12 pedidos já protocolados contra o presidente Michel Temer e argumentou que é preciso ter “calma e paciência” para tratar deste tipo de assunto. Ele disse que a aprovação nesta terça da MP do FGTS dá segurança ao governo de que a base está votando, o que dá mais segurança de que a Câmara está funcionando

— Não posso avaliar uma questão tão grave como essa (pedidos de impeachment) num drive-thru. Não é assim. Quanto tempo se discutiu aqui o governo Dilma. As coisas não são desse jeito. Temos que ter paciência. Estão dizendo que eu engavetei: não tomei decisão! E não é uma decisão que se tome da noite para o dia. O presidente da Câmara não será instrumento para a desestabilização do Brasil. Esse tem sido o meu comportamento: muita paciência, calma, tentando garantir uma agenda. Estou olhando para 2018, com o Brasil podendo crescer de 3% a 4%. E com esse olhar preciso ter uma agenda que garanta essa possibilidade — disse Maia.

Ele disse ainda que a PEC da Eleição direta é um problema da CCJ:

— Se está na Comissão, não cabe ao presidente da Câmara (decidir).

Maia comemorou a votação desta terça e disse que nesta quarta a discussão será sobre o projeto que legaliza benefícios fiscais dados pelos estados dentro da guerra fiscal, como pediu a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia.

— O país tem os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e, nós, como deputados, temos a obrigação de votar uma pauta. A matéria de ontem era uma MP que interessava a todo o Brasil, tanto que todos os partidos votaram a favor. A pauta da Câmara está funcionando e claro que dá uma sinalização forte para o governo de que a base está votando. Mas, mais do que isso, dá uma sinalização para a sociedade que a Câmara tem uma agenda, que tem o foco na recuperação econômica do Brasil — disse.

E acrescentou que se negocia mesmo um Refis mais vantajoso para as empresas dentro da MP 766.

— É do processo democrático a obstrução. Iniciar a discussão da convalidação. Supremo está pronto para pautar e tenho dialogado de forma permanente com a ministra Cármen Lúcia no sentido que a solução legislativa é melhor que a solução no STF. Ela concorda e tem sido muito correta. No mínimo, vamos começar esse debate hoje — disse.

Fonte: O GLOBO

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa