Prêmio nacional torna Alagoas referência em inclusão social no país

O Governo de Alagoas foi o grande vencedor do Prêmio Rosani Cunha de Desenvolvimento Social – Edição Especial: Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, na categoria Boas Práticas – Cadastro Único e Diversidade Social. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (15), em Brasília, pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

Em 2016, 341 trabalhos de todos os estados brasileiros se inscreveram no Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA). Na final da categoria Boas Práticas, Alagoas disputava o prêmio com o Pará e o Paraná.

A cerimônia de premiação contou com a presença do secretário de Estado do Desenvolvimento Social, Antônio Pinaud, e da coordenadora estadual do programa Bolsa Família, Maria José Cardoso, responsável pela elaboração e execução do projeto vencedor, intitulado ‘Visibilidade às Famílias Pertencentes aos Grupos Tradicionais e Específicos em Alagoas – Conhecer para garantir Direitos’. Os dois receberam o prêmio das mãos do ministro Osmar Terra.

De acordo com Maria José Cardoso, o projeto incentiva a especificação, nos registros do Cadastro Único, das famílias pertencentes a grupos como indígenas, quilombolas, famílias em situação de rua, ribeirinhas, pescadores artesanais, agricultores familiares, assentados da reforma agrária e catadores de material reciclável, por exemplo.

“Com a devida marcação nos 16 grupos específicos durante o preenchimento dos dados de cada família no Cadastro Único, os municípios podem pleitear políticas, programas e projetos voltados para esse público. O trabalho da Seades junto a esses grupos recebeu o reconhecimento que precisávamos para continuar cumprindo nossa missão. A responsabilidade aumentou com os olhares do Brasil inteiro, mas temos a certeza da nossa capacidade em fazer desse projeto uma referência nacional”, explicou Maria José.

Para o secretário Antônio Pinaud, o Prêmio Rosani Cunha é mais uma demonstração de que a política de desenvolvimento social executada em Alagoas tem superado as expectativas e metas estabelecidas ao início da gestão.

“Hoje, fizemos história aqui em Brasília. O prêmio nos traz um sentimento enorme de dever cumprido, de que nosso trabalho está no caminho certo, garantindo direitos a quem está mais distante das políticas públicas. É o reconhecimento dos esforços da Seades e do Governo de Alagoas para inclusão e suporte às famílias mais vulneráveis do Estado”, disse.

Prêmio Rosani Cunha

O prêmio é concedido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) e busca reconhecer e divulgar práticas bem-sucedidas na gestão e fortalecimento do Cadastro Único em estados e municípios, possibilitando a disseminação dessas práticas e seu aperfeiçoamento.

A indicação de Alagoas como finalista na categoria Boas Práticas – Cadastro Único e Diversidade Social foi anunciada no final de setembro. Em outubro, uma comitiva do ministério veio a Alagoas para conhecer e avaliar o projeto finalista.

Os representantes do MDSA acompanharam uma apresentação do programa e visitaram famílias quilombolas e de agricultores familiares do município de Teotônio Vilela para observar alguns resultados do que vem sendo realizado na região. O relatório elaborado a partir dessa visita culminou na premiação do Estado, nesta quinta-feira, em Brasília.


Agência Alagoas

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa