Estado de Alagoas não registra casos de raiva humana há uma década

Sesau intensifica ações para atualizar médicos e enfermeiros sobre a doença

Alagoas não registra há dez anos casos de raiva humana. Mesmo assim, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) vem desenvolvendo ações para atualizar médicos e enfermeiros sobre o tratamento da doença, que é transmitida pelo cão, morcegos e macacos e pode levar à morte. Nesta terça-feira (24), os profissionais da Clínica Dayse Brêda participaram de uma capacitação com o médico infectologista José Maria Constant.

Responsável pelo programa da raiva em Alagoas, a técnica da Sesau, Silvana Tenório, afirmou que mesmo sem o registro de casos há uma década, é importante que os profissionais sejam atualizados sobre o tratamento antirrábico. “Estamos há dez anos sem casos em Alagoas, o último foi registrado em Marechal Deodoro em 2006. Contudo não podemos negligenciar a formação continuada dos profissionais, atualizando-os sobre o diagnóstico e tratamento da raiva humana, que é grave e letal”, salientou, ao informar que profissionais de outras unidades também serão atualizados.

O não registro de casos em Alagoas, conforme destacou Silvana Tenório, se deve à cobertura vacinal, a descentralização do serviço e a intensificação da atualização de médicos e enfermeiros, a exemplo da que ocorreu nesta terça-feira (24). Ainda de acordo com a técnica da Sesau, a população alagoana também tem apresentado a sua parcela de contribuição, levando seus animais para se vacinarem durante as campanhas, o que não ocorria em décadas passadas.

A técnica da Sesau informou que a raiva é uma infecção transmitida para seres humanos a partir da saliva de animais infectados. A saliva infectada entra no corpo por meio de uma mordida e o vírus segue até o cérebro, causando inchaço e inflamação. Silvana Tenório disse que, não é apenas o cachorro que transmite a doença, mas também gatos, morcegos, macacos, gambás e outros animais que são mamíferos.

Quanto aos sintomas, a técnica da Sesau informou que um humano mordido por um destes animais deve ficar atento caso apresente sintomas como baba em excesso, convulsão, sensibilidade exagerada no local da mordida e perda de sensibilidade de uma área do corpo e da função muscular.

“Também espasmos musculares, febre, formigamento, agitação, ansiedade e dificuldade de engolir são sintomas que devem ascender o alerta vermelho ao ser mordido por um dos animais que podem transmitir a raiva”, salientou a técnica, ao recomendar a procura de uma unidade de saúde.


Ascom Sesau

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa