2015 registra recorde de casos da síndrome de Guillain-Barré em Alagoas

Diagnosticada em 1916, via método laboratorial, pelos médicos franceses Georges Guillain, Jean Barré e André Strohl, a síndrome de Guilllain-Barré é uma doença de caráter autoimune do sistema nervoso.

A literatura médica ainda não confirmou a causa específica da síndrome, mas, na maioria dos casos, os primeiros sintomas da Guillain-Barré surgiram duas a três semanas após o quadro viral.

Coincidência ou não, a maior parte das pacientes internados na Santa Casa Farol relataram sintomas do zika vírus antes do surgimento da Guillain-Barré.

Os números apresentados pelo médico Wellington Galvão confirmam esta hipótese e a relação entre o zika virus e a síndrome.

“No ano passado, tratei cerca de 14 pacientes com Guillain-Barré. Até agora, com o avanço do zika virus e da chikungunya, somamos até agora 47 casos confirmados da síndrome e não será surpresa superarmos os 50 pacientes até o fim do ano”, considerou Wellington Galvão, que trouxe para Alagoas três máquinas de última geração das 30 existentes atualmente no Brasil.

Tratamento – Conforme explica o hematologista, após combater o quadro viral, os anticorpos produzidos pelo organismo passam a enxergar o sistema nervoso como inimigo.

“O equipamento que realiza a plasmaferese filtra do sangue os anticorpos nocivos e os substitui por uma solução neutra formada por albumina e soro. O resultado pode ser sentido nos primeiros 15 minutos da primeira sessão e, nos casos mais graves, pode levar 60 dias até a recuperação total com a ajuda da fisioterapia.

Ascom/Santa Casa

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa