Saúde define estratégias para o combate à Dengue

Saúde define estratégias para o combate à Dengue

O município de Maceió já definiu suas estratégias para combater e eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti na capital, que apresentou, no primeiro ciclo do Levantamento de Índice Rápido (LIRAa), índice de infestação predial de 1,8% – superior à meta definida pelo Ministério da Saúde, que é de 1% – representando risco médio para a Dengue.

Já a partir desta semana, além dos agentes de endemias passarem a trabalhar de forma intensificada nos bairros que apresentam maior incidência de focos, o Programa de Combate à Dengue da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) pretende ampliar o trabalho educativo das equipes, mobilizando as comunidades não somente com os cuidados que previnem a proliferação do mosquito, mas também orientando sobre os sintomas – diarreia, vômitos, febre e afastamento das atividades por mais de dois dias – e onde procurar atendimento adequado em caso de Dengue.

“Como a incidência de casos tem aumentado entre crianças e adolescentes, buscaremos trabalhar também em parceria com escolas, creches, faculdades e orfanatos, além de casas de repouso para idosos, reforçando todas as orientações. Além disso, vamos reforçar o controle do vetor nas construções, principalmente as de grande porte”, afirmou o coordenador de Endemias da SMS, Paulo Carvalho.

A intensificação nos canteiros de obras inclui a inspeção, o tratamento focal (com a eliminação de larvas), o tratamento perifocal (com a eliminação dos mosquitos) e a colocação de ovitrampas (armadilhas utilizadas para o recolhimento e eliminação de ovos do mosquito). Além disso, os cerca de 16 mil imóveis visitados no primeiro ciclo do LIRAa passarão por nova inspeção para que os agentes possam verificar se os moradores estão seguindo as orientações ou se houve nova proliferação de focos. Caso seja constatado o aparecimento de casos nas regiões de maior risco, será feito o bloqueio de transmissão e avaliada a necessidade de aplicação de inseticida pelo método UVB (carro fumacê).

Outra medida que começa a ser executada com a finalidade de reduzir o ciclo de transmissão da doença e o índice de infestação pelo mosquito Aedes Aegypti é o reforço das ações de inspeção e tratamento de focos em locais estratégicos como ferros-velhos, borracharias e cemitérios.

“Nossas equipes vão trabalhar para diminuir o risco de epidemia de casos da doença. Mas, é preciso lembrar que cada um também precisa fazer sua parte e a população deve fortalecer essa luta, mantendo-se alerta aos cuidados adequados, especialmente nos locais onde há uma grande necessidade de armazenamento de água”, alertou o coordenador.

Embora as atividades estejam sendo direcionadas a toda Maceió, haverá uma atenção maior em Cruz das Almas, Jatiúca, Mangabeiras, Ponta Verde, Pajuçara, Ponta da Terra, Poço, Jaraguá, Centro, Levada, Benedito Bentes, Ipioca, Pescaria, Riacho Doce, Garça Torta, Guaxuma, Jacarecica, Chã da Jaqueira, Chã de Bebedouro e Santos Dumont, que apresentam índices de infestação por bairro acima de 3%.

Em janeiro desse ano já foi registrada uma redução de 25% no número de casos notificados em relação ao mesmo  período de 2013, que registrou 123 casos.

 Ascom Maceió

Author Description

Redação

Sem Comentários ainda.

Participe do debate