Pesquisadores estudam interface entre ativos biológicos bacterianos e agroquímicos na cultura da cana-de-açúca

http://edivaldojunior.com.br/wp-content/uploads/2018/08/1805_cana_acucar_12.jpgPesquisadores estudam interface entre ativos biológicos bacterianos e agroquímicos na cultura da cana-de-açúca

Uma pesquisa da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) analisa a compatibilidade de micro-organismos benéficos, denominados de ativos biológicos, com agroquímicos (inseticidas, fungicidas e promotores de crescimento vegetal) no incremento da produção de cana-de açúcar.

O trabalho teve como principais objetivos determinar a compatibilidade entre ativos biológicos bacterianos e produtos utilizados em mudas pré-brotadas no sistema de produção de cana-de-açúcar, e também a compatibilidade mútua entre as bactérias diazotróficas (diferentes gêneros de bactérias que além de fixar N2 atmosférico, também promovem o crescimento de plantas pela produção de hormônios vegetais e disponibilização de outros nutrientes como o fósforo) e uma estirpe osmotolerante, especialmente desenvolvida para conferir maior tolerância de plantas à seca.

Segundo os autores, o pesquisador Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira e a bolsista de pós-doutorado Michelli de Souza dos Santos, “o interesse na utilização de micro-organismos benéficos na cultura da cana-de-açúcar vem aumentando significativamente junto ao setor sucroenergético, tendo como principal objetivo compor sistemas de produção mais sustentáveis”, salientam. Deste modo, a utilização de produtos químicos poderia ser diminuída.

De acordo ainda com eles, “estes produtos são utilizados pelos produtores em mudas pré-brotadas de cana-de-açúcar. Portanto, a compatibilidade destes ativos biológicos com os principais produtos em uso configura-se de importância para a inserção dos ativos biológicos ao sistema produtivo”.

Halfeld-Vieira diz que “dentre os micro-organismos benéficos com este potencial, algumas bactérias são consideradas como ativos biológicos que podem promover avanços no setor, trazendo ganhos econômicos e ambientais. Neste contexto, bactérias fixadoras de nitrogênio em gramíneas são consideradas como passíveis de oferecerem ganhos a esta cultura, quando combinadas em um pool contendo várias espécies bacterianas.”

Estudaram também a compatibilidade entre a estirpe osmotolerante B. aryabhattai e as demais bactérias diazotróficas. Michelli informa que “para que possa ser incorporada no pool de bactérias diazotróficas, a estirpe de B. aryabhattai não deve produzir compostos que inibam o desenvolvimento destas bactérias e vice-versa, pois o antagonismo entre elas culminaria em não estabelecer um ou mais ativos biológicos na planta, interferindo na obtenção do resultado esperado”.

Notícias Agricolas

Author Description

Ana Luiza

Sem Comentários ainda.

Participe do debate