Renan Calheiros condena financiamento público de campanhas

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) usou sua conta no Twitter (https://twitter.com/renancalheiros/) para protestar contra manobra da base de apoio do governo Michel Temer no Senado para o financiamento da campanha eleitoral do próximo ano.

“A proposta de financiamento para as campanhas eleitorais que o governo tenta empurrar é um completo absurdo”, registrou.

Em discurso, na tribuna da Casa, Renan Calheiros disse “o Senado Federal votar, a esta altura, do campeonato uma proposta trazida pelo senador Romero (Jucá) que é líder do governo nesta Casa, é presidente em exercício do PMDB, sem que ninguém possa discutir, criando bingo para financiar as campanhas eleitorais, proibindo a propaganda na internet, mas garantindo o impulsionamento com dinheiro público… isso no mínimo precisaria ser melhor discutido, mais democraticamente discutido…”.

O senador do PMDB condenou a proposta de “distribuir sem critério nenhum os recursos que a partir desta eleição não serão mais privados, mas são recursos públicos, que são retirados das necessidades básicas da nossa população… Tirar dinheiro de setores vitais para o país, como Saúde e Educação, para bancar políticos é tudo o que o Brasil não merece!”.

Renan Calheiros também classificou como “uma maldade” o repasse de dinheiro das emendas parlamentares para o fundo eleitoral e sugeriu o adiamento da votação: “ Privar o parlamentar de apresentar emendas é uma maldade maior do que a que ocorreu na ditadura militar. Tão logo se retomou a democracia no Brasil, o Congresso recuperou o direito de emendar o Orçamento. Votar isso sem que ninguém possa discutir? Isso no mínimo precisaria ser melhor discutido”, afirmou.

Versão oficial

A Agência Senado registrou o início do debate em torno do financiamento da campanha. Veja:

Plenário começa a debater financiamento de campanha

O Plenário do Senado inciou nesta quarta-feira (20) o debate sobre as novas regras para o financiamento das eleições. O Projeto de Lei do Senado (PLS) 206/2017, do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), cria o Fundo Especial de Financiamento de Campanha.

O texto original acaba com a propaganda partidária e com o horário eleitoral gratuito. Pela proposta, o dinheiro da compensação fiscal que a União paga às emissoras pela veiculação desses programas seria repassado ao fundo.

Leia aqui, na íntegra:

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa