Renan desabafa contra “métodos ilegais” das delações

Em nota publicada nas redes sociais, Renan Calheiros comentou os fatos divulgados esta semana, envolvendo a Procuradoria Geral da República.

Alvo de vários inquéritos da PGR, a maioria deles oriundos de delações premiadas, o senador do PMDB diz que o procurador (Rodrigo Janot) “acusou sem provas, perseguiu pessoas e multiplicou investigações sobre os mesmos assuntos”.

Renan Calheiros diz ainda que “o grupo de procuradores e os métodos ilegais subjacentes às negociações da J&F são os mesmos das delações de Nestor Cerveró, Delcídio Amaral e Sérgio Machado, orientados a citar meu nome indevidamente e gravar conversas sem autorização judicial para escaparem impunes”.

Leia a nota, na íntegra:

Os fatos que jogam graves suspeitas sobre a conduta de Janot nos acordos de delação confirmam o que alerto desde o início. O procurador generalizou as acusações, tentou mostrar que todo mundo é corrupto, acusou sem provas, perseguiu pessoas e multiplicou investigações sobre os mesmos assuntos.

Agora ficou claro o motivo. O grupo de procuradores e os métodos ilegais subjacentes às negociações da J&F são os mesmos das delações de Nestor Cerveró, Delcídio Amaral e Sérgio Machado, orientados a citar meu nome indevidamente e gravar conversas sem autorização judicial para escaparem impunes. Foi com base na gravação armada feita por Machado que o procurador pediu a prisão do presidente de um Poder, atirando o país numa crise institucional. De tao frágil o inquérito derivado dessa delação foi arquivado pela PF.

O que acho muito estranho é o procurador só ter “descoberto” as relações do seu braço direito na PGR com os bandidos na última quinta-feira. O que se vê é um espetáculo de mau caratismo e desonestidade sem precedentes. Espero que tudo se esclareça e que todos os corruptos, inclusive os travestidos de paladinos da ética, sejam, enfim, conhecidos.

Descrição do autor

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior é jornalista, colunista da Gazeta de Alagoas e editor do caderno Gazeta Rural

Ainda não há comentários.

Participe da conversa