Asplana defende desoneração do açúcar alagoano para usinas adimplentes

A Associação dos Plantadores de Cana do Estado de Alagoas (Asplana) decidiu apoiar o pedido do Sindaçúcar-AL para a desoneração do ICMS do açúcar no mercado interno junto ao governo estadual. A demanda é uma forma de evitar o agravamento da crise no setor sucroalcooleiro, dando possibilidade de o produto conseguir concorrer nas transações comerciais dentro do País.

A medida, acredita o presidente da Asplana, Edgar Filho, pode ajudar aos fornecedores e toda a cadeia produtiva da cana-de-açúcar. “O regime tributário de Alagoas é um dos mais altos do Brasil. A desoneração é uma saída para que nosso açúcar consiga competir no mercado interno. Mas a Asplana só apoia esse pleito desde que o governo dê o incentivo apenas às usinas que estejam em dia com os fornecedores, a exemplo do que foi realizado em Pernambuco”, esclarece Edgar Filho.

O preço do açúcar comercializado no mercado externo está caindo nos últimos meses, chegando a ser cotado em até 30% menor na bolsa de Nova York. Segundo o presidente da Asplana, a safra alagoana já será comprometida devido à seca, com a queda no mercado internacional, a crise pode se agravar.

“Cerca de 70% da produção de açúcar em Alagoas é voltada para o mercado externo. E nós perdemos espaço e competitividade nos mercados tradicionais do Nordeste, como a Bahia, o Maranhão e o Piauí. Chegamos ao ponto de ter açúcar do Centro-Sul conquistando e ganhando espaço no mercado alagoano”, explica Edgar.

A proposta da desoneração do ICMS do açúcar alagoano já havia sido defendida anteriormente em reunião entre Edgar Filho e o governador Renan Filho. “Achamos que é mais justo para todos que ocorra esse incentivo apenas para as empresas adimplentes. Não é justo que os que estejam com dívidas possam ser beneficiados com a desoneração”, acredita o presidente da Asplana.

Assessoria

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa