Fapeal e Seplag discutem estratégias em pesquisa e inovação

Preparar o Estado para aportar conhecimento científico. Esta é uma das áreas de incentivo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal). Abordando este intuito, o diretor-presidente da Fapeal, professor Fábio Guedes, concedeu uma palestra na manhã desta terça-feira (27), a servidores e colaboradores do Governo de Alagoas, explorando o panorama das políticas de fomento à pesquisa e inovação.

O diálogo foi promovido pela Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), durante o evento ‘Café com Planejamento e Gestão’. Na ocasião, foram expostos dados acerca da inserção alagoana no sistema nacional de ciência e inovação. A Fapeal investiu cerca de R$ 22,7 milhões nos últimos dois anos.

Fábio Guedes apresentou índices que demonstraram ainda um quadro a ser revertido na atuação em produções acadêmicas; porém espaços têm sido galgados exponencialmente, por meio da distribuição de recursos advindos do Governo de Alagoas.

Atualmente, o sistema compreende instituições de ensino e centros de pesquisa eficazes, com um crescimento quantitativo que, em termos de infraestrutura local, não deixam em nada a desejar, se comparados a grupos internacionais.

Transferir este conhecimento acadêmico construindo uma ponte entre universidade e instituições não se torna um caminho fácil. No entanto, o gestor pontou quais iniciativas têm auxiliado para que este processo ocorra.

“O PDPP, por exemplo, é um dos editais exitosos que foram adaptados por outros estados. Ele propõe pesquisas críticas aos órgãos e produz políticas públicas para Alagoas, possibilitando a ciência em ação”, frisa.

O Programa de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento das Políticas Públicas (PDPP) foi formatado para conceder bolsas a pesquisadores para elaborar estudos sistemáticos a serviço da ciência e gestão governamental.

A Seplag recebeu um dos núcleos de estudos apoiados pelo PDPP. Foram lançados seis títulos, frutos das pesquisas estruturadas, sobre pecuária leiteira, Canal do Sertão, microfinanças, economia solidária, e diversificação econômica, em alternativa à cana-de-açúcar. Estas obras somadas, às publicações anteriores, desde que o programa foi lançado, em 2015, já totalizam 12 produtos críticos, que conversam com a universidade e o setor público.

O momento abordou similarmente dados analisados chamadas como o Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS), o Programa de Desenvolvimento Científico Regional (PDCR), o Tecnova Alagoas, entre outras ações estratégicas de fomento.

A Fapeal vem disponibilizando seus projetos e ações para outras instituições, e divulga estes dados de forma transparente em seu site. O propósito é tornar mais claros os trâmites e processos, além de auxiliar as diversas organizações em suas tomadas de decisões.

Agência Alagoas

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa