Frigovale reforça compromisso em fornecer carne certificada

Com um abate mensal médio de quatro mil animais, a Frigovale reforça o compromisso firmado com o consumidor alagoano em fornecer uma carne limpa com procedência e devidamente certificada, atendendo as exigências sanitárias em vigor no país.

“A gente alimenta o otimismo e o nosso objetivo de lutar por uma carne limpa em Alagoas. Contamos com o apoio do Governo do Estado e de prefeituras no sentido de motivar ainda mais o crescimento da cadeia produtiva da carne”, afirmou Jaelson Gomes, diretor da Frigovale Alagoas, unidade industrial localizada no município de Arapiraca.

De acordo com ele, apesar do setor estar fechando o primeiro semestre deste ano com uma redução no consumo de carne, o otimismo no crescimento é mantido. “Afinal, o consumo vai sempre existir. Carne é um alimento que não deixa de chegar à mesa da população. É evidente que melhorando a economia, o consumo também melhora”, declarou Gomes, reforçando a necessidade da população se conscientizar sobre a importância da carne limpa.

“Nossa luta também é para que ocorra uma mudança cultura. Muitas pessoas ainda preferem a carne quente ou fresca, quando, na realidade, a normas sanitárias atestam que a carne deve ser devidamente resfriada e procedente de abate sanitário e higienizado. Afinal, o abate clandestino que ocorre em condições precárias, muitas vezes no meio do mato, oferece sérios riscos a saúde da população. Por isso, sempre tocamos nessa tecla junto ao consumidor para que ele avalie a carne que está consumindo, a origem”, reforçou Gomes.

Entre as ações de combate ao abate e a comercialização da carne clandestina, o diretor da Frigovale destacou o trabalho desenvolvido na Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco que recentemente realizou mais uma etapa em parte dos municípios da região Agreste.

“A Frigovale enxerga a FPI de forma muito positiva e com muito bons olhos. Trata-se quase de uma questão pedagógica, combatendo o abate clandestino e os crimes ambientais, além de conscientizar o consumidor e também os empresários. Vale ressaltar que a Frigovale, apesar de devidamente regularizada, foi fiscalizada pela FPI. Consideramos que foi uma ação importante com todo o funcionamento da unidade operando dentro da normalidade”, ressaltou Gomes.

Futuro

O diretor da unidade frigorífica, considera a mais moderna de Alagoas, afirmou que a Frigovale entrou em operação em fevereiro de 2016 e ainda há muito a ser conquistado pela empresa.

“Tem muito por fazer ainda. Mas temos avanços importantes. Temos supermercados no Estado, a exemplo do Unicompra, Cesta de Alimentos, Casa das Carnes, entre outros, que se preocupam em comercializar a carne certificada, além de parceiros como a Coperboi que abate conosco”, ressaltou Gomes.

Segundo ele, nas feiras livres algumas prefeituras estão incentivando os comerciantes a promover o trato da limpeza e da carne devidamente resfriada. “Além disso, temos como avanço um trabalho desenvolvido pelo Sebrae-AL que será de grande valia para o setor por abranger todos que fazem parte da cadeia produtiva da carne”, anunciou.

Com um abate mensal médio de quatro mil animais, a Frigovale reforça o compromisso firmado com o consumidor alagoano em fornecer uma carne limpa com procedência e devidamente certificada, atendendo as exigências sanitárias em vigor no país.

“A gente alimenta o otimismo e o nosso objetivo de lutar por uma carne limpa em Alagoas. Contamos com o apoio do Governo do Estado e de prefeituras no sentido de motivar ainda mais o crescimento da cadeia produtiva da carne”, afirmou Jaelson Gomes, diretor da Frigovale Alagoas, unidade industrial localizada no município de Arapiraca.

De acordo com ele, apesar do setor estar fechando o primeiro semestre deste ano com uma redução no consumo de carne, o otimismo no crescimento é mantido. “Afinal, o consumo vai sempre existir. Carne é um alimento que não deixa de chegar à mesa da população. É evidente que melhorando a economia, o consumo também melhora”, declarou Gomes, reforçando a necessidade da população se conscientizar sobre a importância da carne limpa.

“Nossa luta também é para que ocorra uma mudança cultura. Muitas pessoas ainda preferem a carne quente ou fresca, quando, na realidade, a normas sanitárias atestam que a carne deve ser devidamente resfriada e procedente de abate sanitário e higienizado. Afinal, o abate clandestino que ocorre em condições precárias, muitas vezes no meio do mato, oferece sérios riscos a saúde da população. Por isso, sempre tocamos nessa tecla junto ao consumidor para que ele avalie a carne que está consumindo, a origem”, reforçou Gomes.

Entre as ações de combate ao abate e a comercialização da carne clandestina, o diretor da Frigovale destacou o trabalho desenvolvido na Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco que recentemente realizou mais uma etapa em parte dos municípios da região Agreste.

“A Frigovale enxerga a FPI de forma muito positiva e com muito bons olhos. Trata-se quase de uma questão pedagógica, combatendo o abate clandestino e os crimes ambientais, além de conscientizar o consumidor e também os empresários. Vale ressaltar que a Frigovale, apesar de devidamente regularizada, foi fiscalizada pela FPI. Consideramos que foi uma ação importante com todo o funcionamento da unidade operando dentro da normalidade”, ressaltou Gomes.

Futuro

O diretor da unidade frigorífica, considera a mais moderna de Alagoas, afirmou que a Frigovale entrou em operação em fevereiro de 2016 e ainda há muito a ser conquistado pela empresa.

“Tem muito por fazer ainda. Mas temos avanços importantes. Temos supermercados no Estado, a exemplo do Unicompra, Cesta de Alimentos, Casa das Carnes, entre outros, que se preocupam em comercializar a carne certificada, além de parceiros como a Coperboi que abate conosco”, ressaltou Gomes.

Segundo ele, nas feiras livres algumas prefeituras estão incentivando os comerciantes a promover o trato da limpeza e da carne devidamente resfriada. “Além disso, temos como avanço um trabalho desenvolvido pelo Sebrae-AL que será de grande valia para o setor por abranger todos que fazem parte da cadeia produtiva da carne”, anunciou.


Fonte: Assessoria

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa