JBS fez doações de R$ 5,3 milhões para 28 políticos e ajudou a eleger 8 estaduais em AL

Volto com novos dados do levantamento feito pelo Blog do Edivaldo Júnior na prestação de contas dos candidatos nas eleições de 2014.

Na primeira amostragem, com base em dados do informações do portal do Tribunal Superior Eleitoral, revelamos as doações da JBS – todas feitas “indiretamente” – de pelo menos R$ 3,9 milhões para políticos eleitos para o governo ou Câmara Federal em Alagoas.

Agora, um levantamento mais detalhado aponta que as doações legais do grupo JBS nas eleições de 2014 em Alagoas passam dos 5,3 milhões e beneficiaram pelo menos 28 políticos, entre eles o governador Renan Filho, o senador Benedito de Lira (campanha ao governo), os ministros Marx Beltrão, PMDB, e Maurício Quintella, PR, e os deputados federais Arthur Lira, PP (R$ 500 mil, Ronaldo Lessa, PDT (R$ 50 mil) e Givaldo Carimbão, PHS (R$ 150 mil).

A suplente de deputado federal no exercício do mandato, Rosinha da Adefal, do PTdoB, também recebeu doações da JBS, através do diretório estadual, de R$ 200 mil.

Nessa nova amostragem foram encontradas doações para oito deputados estaduais eleitos em 2014 – o que representa quase um terço de toda a Assembleia Legislativa de Alagoas, que tem 27 parlamentares.

Juntos eles receberam doações, ainda que indiretamente, de mais de R$ 900 mil. O maior valor, de R$ 300 mil, foi para Olavo Calheiros (PMDB) e o menor valor feito através da campanha de Maurício Quintella foi para Davi Davino Filho (R$ 8 mil), que hoje também está no PMDB.

Também receberam doações os deputados Ricardo Nezinho (R$ 130 mil), Ronaldo Medeiros (R$ 100 mil), Marquinhos Madeira (R$ 100 mil) e Thayse Guedes (R$ 90 mil), todos no PMDB atualmente, Tarciso Freire, hoje no PP, com R$ 100 mil e Carimbão Junior, atualmente no PHS, com R$ 92 mil.

A tabela mostra os valores e a origem da doação feita aos candidatos. O caminho não foi direto em nenhum caso. O dinheiro chegou ou pelos diretórios nacional ou estadual dos partidos ou através de repasses feitas por campanhas majoritárias.

O caso do PMDB

Neste levantamento acrescento planilha das doações feitas pelo diretório estadual do PMDB nas eleições de 2014. Os valores doados pela JBS ao partido e repassados aos candidatos chegam a quase R$ 3 milhões e beneficiaram 23 políticos, incluindo candidatos do PROS, PT, PTdoB e PCdoB.

O falastrão

Ao dizer que “comprou” mais de 1,8 mil políticos no Brasil em 2014, com doações de campanha, o dono da JBS, Joesley Batista, parece ter exagerado. Os políticos que receberam doações oficiais em Alagoas não tem a menor relação com o grupo e receberam os valores dos diretórios nacionais ou estaduais ou de campanhas majoritárias.

Um caso merece registro: o deputado federal Ronaldo Lessa estranhou ao ver seu nome citado e pediu que sua assessoria levantasse informações. A JBS aparece na sua prestação de contas num repasse de R$ 50 mil feito pela campanha de Dilma Roussef, através do diretório nacional do PDT.

Era legal

O levantamento foi realizado no período em que as doações de empresas eram permitidas pela legislação eleitoral e aponta que as principais lideranças políticas do estado receberam de alguma forma doação da JBS.

Entre os beneficiados estão o governador Renan Filho (R$ 1,3 milhão), o senador Benedito de Lira, que foi candidato ao governo e recebeu R$ 1,2 milhão, além dos ministros Maurício Quintella (R$ 450 mil da JBS e mais R$ 500 mil da Seara, que também é do grupo JBS) e Marx Beltrão (R$ 236 mil) – deputados federais afastados.

Veja as tabelas e faça as contas: Valores que estão na tabela do PMDB são repetidos nas outras planilhas.

Descrição do autor

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior é jornalista, colunista da Gazeta de Alagoas e editor do caderno Gazeta Rural

Ainda não há comentários.

Participe da conversa