Produtores conhecem projeto de incentivo à bovinocultura

O Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas iniciou, nesta terça-feira (9), o Projeto de Fortalecimento da Bovinocultura de Leite e Corte em Áreas Remanescentes da Cana-de-Açúcar, com seminário de apresentação aos produtores e técnicos envolvidos.

Como primeira atividade prevista no projeto, o seminário serviu como oportunidade para os produtores da região da Grande Mata Alagoana, composta pelas microrregiões Mata Alagoana, Serrana dos Quilombos, Litoral Norte e São Miguel dos Campos, conhecerem todo o plano de trabalho definido para execução até dezembro de 2018.

Abrindo o seminário, o representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Adriano Lênin, apresentou o diagnóstico de pesquisa desenvolvida em Alagoas para identificar as necessidades do médio produtor com relação à assistência técnica e principais cadeias produtivas.

Segundo ele, o diagnóstico surgiu de uma lacuna de planejamento de políticas públicas para o médio produtor, o que fez com que o Ministério iniciasse, em 2014, um levantamento do perfil produtivo dos estados, com informações como faturamento, área de produção, tipos de atividades e índices de acesso à assistência técnica e extensão rural.

Desde então, 20 estados já possuem diagnóstico completo, incluindo Alagoas, onde o mapeamento foi realizado pela Emater e deu vida ao projeto de estímulo à bovinocultura de leite e de corte, atividades identificadas como potenciais para o médio produtor.

Diversificação

Com clima e solo favoráveis, a região escolhida para a execução do projeto garante a produção de suporte forrageiro de qualidade em comparação às demais regiões do Estado, gerando condições adequadas para o desenvolvimento da atividade, que chega como alternativa ao plantio da cana-de-açúcar.

A alternativa já é realidade de alguns produtores de cana, a exemplo de Reinaldo Oliveira, de Colônia Leopoldina, um dos presentes no seminário, que explicou que passou a ter interesse na bovinocultura de leite como mais uma opção para gerar renda para a família.

“Quero desenvolver minha produção leiteira, que é uma atividade que gosto e estou conhecendo um pouco mais do segmento hoje. Possuo cerca de 50 vacas, que produzem pelo menos cinco litros por dia, resultado muitas vezes afetado pela seca, mas meu intuito é melhorar essa produtividade para aumentar a renda e poder investir na educação dos meus filhos”, ressaltou o produtor, acrescentando que possui boas expectativas com o avanço do projeto.

Nova demanda

A Emater tem como missão tradicional atender ao agricultor familiar, mas, diante do diagnóstico desenvolvido em parceria com o Mapa, atenderá à nova demanda para estimular a geração de renda do médio produtor e o fortalecimento da cadeia produtiva na região beneficiada.

Para isso, o projeto prevê a capacitação dos produtores com cursos de atualização em bovinocultura leiteira e de corte, implantação de Unidades de Referência Tecnológica (URT) e trabalhos técnicos e práticos em campo.

De acordo com o presidente da Emater, Carlos Dias, o objetivo é ir além do cronograma de execução previsto, buscando o planejamento de novos projetos que possam suceder o inicial para manter a continuidade do trabalho de assistência a esse novo público.

Fonte: Agência Alagoas

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa