Governo Temer tentou impedir deputado Paulão de falar em evento da ONU

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, o deputado Paulão (PT-AL), está na Suiça para participar da reunião do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

A viagem do parlamentar alagoano, no entanto, se deu contra a vontade do governo de Michel Temer. O governo brasileiro tentou impedir que o deputado de falar, nesta sexta-feira, 5, durante a sabatina que Brasília enfrentará nas Nações Unidas sobre sua política de direitos humanos.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, diplomatas brasileiros chegaram a se reunir com serviços da ONU para até mesmo alertar sobre possíveis “problemas” que o deputado poderia causar durante o encontro. Mas não conseguiram evitar que ele fosse credenciado.

Paulão embarcou para Genebra, Suíça, e participa da reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU e avisa: “apesar da postura conservadora do Itamaraty e desse governo golpista, nós estaremos lá para denunciar ao mundo o quanto o golpe tem contribuído para as gravíssimas violações de direitos humanos que têm ocorrido no Brasil”.

A pauta do encontro é a Revisão Periódica Universal, que consiste em relatórios detalhados sobre a situação dos direitos humanos em cada país e sobre temas ou questões específicas.

Veja a repercussão na mídia:

Brasil 247

CONTRA VONTADE DE TEMER, PAULÃO VAI À SUÍÇA EXPOR VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputado Paulão (PT-AL), embarcou nesta quarta-feira (3) rumo a Genebra, Suíça, onde ocorre – desde o dia 1º e até o dia próximo dia 12 – reunião do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). A pauta do encontro é a Revisão Periódica Universal, que consiste em relatórios detalhados sobre a situação dos direitos humanos em cada país e sobre temas ou questões específicas.

A postura pouco colaborativa do governo, especialmente do Ministério das Relações Exteriores, para viabilizar a participação da CDHM no encontro da ONU foi criticada pelo presidente do colegiado. “Apenas quando nós confirmamos a nossa presença, através da Câmara dos Deputados, o Itamaraty fez uma média conosco, mas inicialmente eles não fizeram qualquer gestão para facilitar a nossa presença na reunião. Isso só mostra que até o Itamaraty está até o pescoço no golpe”, lamentou Paulão.

Leia aqui, na íntegra:

http://www.brasil247.com/pt/247/alagoas247/293747/Contra-vontade-de-Temer-Paul%C3%A3o-vai-%C3%A0-Su%C3%AD%C3%A7a-expor-viola%C3%A7%C3%A3o-aos-direitos-humanos.htm

Estadão

Governo tentou excluir deputado da lista de oradores na ONU

GENEBRA – O governo brasileiro tentou impedir que o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputado Paulão (PT-AL), possa tomar a palavra nesta sexta-feira, 5, durante a sabatina que Brasília enfrentará nas Nações Unidas sobre sua política de direitos humanos. O Estado apurou que diplomatas brasileiros chegaram a se reunir com serviços da ONU para até mesmo alertar sobre possíveis “problemas” que o deputado poderia causar durante o encontro. Mas não conseguiram evitar que ele fosse credenciado.

O deputado, que preparou um relatório alternativo ao do governo, terá de apresentar suas conclusões em outra sala, num encontro apenas com a sociedade civil e sem a presença da maioria dos governos.

A sabatina ocorre periodicamente com governos de todo o mundo na ONU que, para apresentar suas posições, formam delegações responsáveis por defender a posição do País. Em 2012, no último exame do Brasil na ONU, documentos oficiais indicam que o governo brasileiro incluiu o deputado que, naquele ano, tinha o mesmo cargo de Paulão, na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Tratava-se de Domingos Dutra. Naquele momento, tanto os representantes do governo como a comissão eram do mesmo partido.

Durante a reunião há cinco anos, o parlamentar foi autorizado a discursar. Nos anais do encontro, documentos apontam que “deputado Domingos Dutra, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, citou importantes progressos na esfera legislativa, mencionando exemplos como a lei de criação da Comissão Nacional da Verdade; a lei garantindo acesso à informação e o projeto de Emenda Constitucional no 438 sobre a expropriação de propriedades onde o trabalho escravo é praticado”.

Leia aqui, na íntegra http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,governo-tentou-excluir-deputado-da-lista-de-oradores-na-onu,70001763808

 

Descrição do autor

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior é jornalista, colunista da Gazeta de Alagoas e editor do caderno Gazeta Rural

Ainda não há comentários.

Participe da conversa