Diretor Técnico alerta para quebra de safra no ciclo 17/18

Apesar das chuvas que começaram a cair em Alagoas, a perda dos brotos da cana pela seca comprometerá o resultado do próximo ciclo canavieiro no Estado. De acordo com o diretor Técnico da Asplana, Antonio Rosário, as perdas ainda não foram calculadas, mas deverão representar uma safra inferior a 16 milhões de toneladas de cana.

“Neste ciclo que foi finalizado agora, praticamente, repetimos os números da safra anterior de 16 milhões de toneladas de cana moídas. Mas, a próxima moagem, com certeza, será abaixo dos 16 milhões”, revelou o diretor da associação.

Segundo Rosário, como houve uma perda consistente de socarias (raiz da cana) apenas a chegada das chuvas não resolve o problema. “Com a planta morta, não há processo de recuperação. A única opção é o replantio que começa agora com a volta das chuvas. Mas, só teremos resultados apenas na safra 18/19. Para a moagem próxima, não teremos resposta nenhuma”, afirmou.

Para ele, apenas os fornecedores que têm sistema de irrigação conseguiram preservar parte do canavial. “Quem não tem, amargou uma perda de 100% do canavial. Mas, mesmo com recursos e as chuvas, faltam mudas para o replantio. Como os fornecedores deverão comprar ou até mesmo usar mudas do próprio canavial, a quantidade de cana deverá ser reduzida na safra 17/18. Mas, apesar das dificuldades, não vamos desistir porque cana ainda é uma atividade viável”, reforçou.


Assessoria

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa