Governo de AL implanta piso nacional do professor na folha de abril

A Secretaria de Planejamento e Gestão de Alagoas (Seplag) trabalha para implantar o valor do novo piso nacional dos professores nos salários dos servidores da rede estadual na folha de abril.

A implantação do novo piso, com reajuste de 7,64%, já foi pedida pelo secretário de Educação de Alagoas, o vice-governador Luciano Barbosa, desde janeiro, mas o processo ainda está em tramitação.

O secretário da Seplag, Fabrício Santos, adianta que o valor do novo piso, de R$ 2.298,80, será retroativo a janeiro para os servidores que tem direito automaticamente ao benefício.

Para os demais servidores da Educação, o governo deve anunciar o reajuste em abril.

A demora na implantação do piso, explica Fabrício, é decorrente em parte do processo burocrático, que o secretário sonha em simplificar: “mesmo para implantar o valor do piso, que deveria ser automático, é preciso que o processo passe por diferentes secretarias e pela PGE. No futuro, se possível, vamos trabalhar para tornar esse procedimento mais rápido e objetivo”, diz.

Prioridade

Em meio a todas as dificuldades do país, Alagoas vai na contramão da crise e pagará o reajuste de 7,64% no piso salarial dos professores, anunciado recentemente pelo Ministério da Educação (MEC). A garantia foi dada pelo vice-governador e secretário da Educação, Luciano Barbosa.

“A Educação é prioridade no Estado de Alagoas e, inclusive, uma orientação do governador Renan Filho. Então mesmo com todas as dificuldades, honraremos com o reajuste do piso salarial determinado pelo Ministério da Educação “, afirma Barbosa.

De acordo com Barbosa, Alagoas foi um dos poucos estados que conseguiram cortar gastos e não ficaram no vermelho. Na Educação, foram redirecionados cerca de R$ 123 milhões por ano com quebras de contratos como, por exemplo, o de vigilância armada e do aluguel de um galpão logístico. Com o recurso em caixa, pode se investir no chão da escola, com reformas das prediais, construções de ginásios e implantação de outros programas de descentralização de verba.

Em 2016, Alagoas pagou o piso salarial aos docentes e este ano não será diferente. Sobre a data de pagamento, dependerá do estudo das Secretarias do Planejamento e Gestão (Seplag) e da Fazenda (Sefaz).

O gestor da pasta de Educação afirma ainda que assim que for implantado, “dependerá só da confecção da folha de pagamento e será retroativo a janeiro”.

O percentual do reajuste de 7,64% é acima da inflação, que fechou em 6,29% no ano passado. O piso, anunciado pelo Ministério da Educação no último dia 12 era de R$ 2.135,64, e passará a ser de R$ 2.298,80 em todo país. É o mínimo que um professor em território nacional, com carga horária de 40 horas semanais e formação de ensino médio ao menos, passa a ganhar.

Descrição do autor

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior é jornalista, colunista da Gazeta de Alagoas e editor do caderno Gazeta Rural

Ainda não há comentários.

Participe da conversa