Desenvolve discute melhorias da cadeia da mandioca em Palmeira dos Índios

Analistas de Crédito da Agência de Fomento de Alagoas (Desenvolve) produtores de mandioca e proprietários de casas de farinha de Palmeira dos Índios se reuniram, na manhã desta terça-feira (31), para discutir melhorias para a cadeia produtiva no município. A reunião ocorreu na sede do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) e contou com a participação também de representantes da Secretaria Municipal de Agricultura.

Na abertura do encontro, o analista de crédito Dackson Sousa enfatizou o interesse da Desenvolve em reunir os segmentos que trabalhem de forma integrada na busca pela melhoria da produção dos agricultores familiares palmeirenses, assim como da adequação das casas de farinha à legislação ambiental.

O principal objetivo da visita foi avaliar a realidade da produção local da farinha para, a partir da coleta de dados, elaborar um plano de ação para o fortalecimento e desenvolvimento da cadeia produtiva da mandioca.

“Vamos trabalhar ainda para que as oito casas de farinha existentes do município se enquadrem à legislação ambiental, deixando de poluir o meio ambiente com a manipueira”, ressaltou o analista.

O presidente da Desenvolve, Rafael Brito, apontou os fatores positivos nessa parceria, a exemplo da variedade de subprodutos criados a partir da farinha, a ampliação da produção com os recursos que venham a ser repassados pela Desenvolve, a diminuição dos impactos ambientais provocados pela manipueira e o desmatamento para utilização da lenha.

“Devemos trabalhar com vistas a valorizar a cadeia da mandioca em nosso Estado, desenvolvendo projetos e ações de pesquisa de forma articulada e integrada, que melhorem a assistência técnica aos produtores, por meio de metodologias educativas e participativas, centrada no fortalecimento da agricultura familiar”, declarou Rafale Brito. “Desta forma, vamos contribuir para o desenvolvimento rural sustentável e para o processo de agroindustrialização da mandioca, buscando agregar valor ao produto e gerar renda”, salientou o presidente.

O produtor de mandioca Mathias Cirilo da Silva lembrou que esse recurso do Governo Estadual será de grande valia para sua produção. “Nosso trabalho aqui é difícil, de sol a sol estamos aqui, plantando mandioca para garantir nosso sustento. E esse dinheiro vai ajudar muito a melhorar a minha produção, sem comprometer o meu apurado”, disse o produtor.

Entre as linhas de financiamento que melhor se adequam às necessidades dos produtores, foram apontadas a Força Cooperativa e a de Arranjos Produtivos Locais (APLs), ambas com taxa de 1,2% ao mês e carência de seis meses. Após avaliarem a tomada do fomento do Governo do Estado, os produtores voltarão a se reunir com a Desenvolve até o fim do mês de junho.


Agência Alagoas

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa