Temer pode afastar Maurício Quintella e outros ministros “enrolados” com a Justiça

A passagem de alguns ministros pelo governo provisório pode ser mais curta do que se poderia imaginar. Contaminado pelos grampos em série de Sérgio Machada, o presidente interino teme a divulgação de novos áudios e tem sido orientado a promover uma “limpeza” no governo.

Depois da exoneração de Romero Jucá, no começo da semana, e da divulgação de novos áudios, Michel Temer foi aconselhado, segundo reportagem da Folha de São Paulo, pelos seus assessores diretos a afastar nos próximos 30 dias ministros investigados na lava jato ou que respondam a ações judiciais.

Segundo a Folha de SP, os assessores sugerem como “vacina”, que Temer “se blinde de potenciais dores de cabeça e afaste em até 30 dias ministros citados na Operação Lava Jato ou que respondam a acusações judiciais, como Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Maurício Quintella (Transportes)”.

A Folha continua: “Alves é alvo de dois pedidos de inquérito, ainda sem aval da Justiça, por suposto envolvimento no esquema de desvios ligados à Petrobras. Quintella (PR) é suspeito de participação em desvios de verba destinados ao pagamento de merenda escolar em Alagoas. Ambos negam as acusações”.

Não há sinais, por enquanto, de mudanças nos ministérios. Mas em Brasília, já se espera para o começo da semana uma onda de denúncias contra Henrique Alves e Geddel Vieira Lima, que pode resultar em novas baixas no ministério do governo provisório já no começo da próxima semana.

Veja aqui a reportagem da Folha, na íntegra:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1775132-temor-de-novos-audios-preocupa-gestao-temer-dizem-assessores.shtml

EJ

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa