Quem vai ganhar para federal em AL? Veja as projeções de um especialista

Professor Marcelo Bastos realiza análise dos candidatos que podem ser eleitos
Candidato Ronaldo Lessa (PDT) é um dos que têm possibilidade a chegar na Câmara Federal em 2015

Em 2012 o professor Marcelo Bastos (diretor do Marcelo Cursos e Colégio Pontual) fez um projeção, com duas semanas de antecedência, dos candidatos a vereador que deveria ser eleitos em Maceió. Ele acertou, em cheio.

Agora o professor fez nova projeção, publicada há cerca de uma semana, pelo semanário Extra Alagoas. Suas projeções confirmam as pesquisas de “consumo interno” das principais coligações e batem com a avaliação de vários analistas.

Levando em conta que eleição proporcional  em Alagoas se decide por um conjunto de fatores (popularidade, carisma, dinheiro, poder e influência familiar, entre outros), eu concordo, no geral, com a avaliação dos “especialistas” e também do Marcelo.

Anote aí minha opinião. Para federal: a coligação de Renan Filho faz 4 podendo. Os favoritos, pela ordem, são Ronaldo Lessa (PDT), Carimbão (Pros) e Marx Beltrão (PMDB), seguidos de Paulão (PT) e Rosinha da Adefal (PTdoB) que brigam pela quarta vaga.

A chapa do PRTB/PMN  faz um: Cícero Almeida. Se fizer um segundo, brigam pela vaga Val Amélio e Aderval Tenório.

A coligação de Biu de Lira faz 2 podendo fazer o terceiro. Favoritos, pela ordem, Arhur Lira (PP), Maurício Quintella (PR). Na briga por outra vaga estão Nivaldo Albuquerque (PRPL) e JHC (SD). Régis Cavalcante (PPS) também pode surpreender.

A Coligação PSDB/PRB faz um: Pedro Vilela. Se fizer o segundo, quem entra é Rogério Téofilo.

No total, Alagoas vai eleger nove federais. Se essa estimativa estiver correta, oito serão eleitos de “primeira” e uma vaga vai ficar para ser disputada, na sobra, entre estas quatro coligações. Os outros partidos e coligações não apresentam, por enquanto, possibilidade de atiginr o quociente eleitoral.

A opinião de Marcelo

Marcelo Bastos sempre gostou e estudou política. A partir de inúmeras informações ele fez a projeção dos nomes dos futuros deputados federais e estaduais de Alagoas. “Na minha análise eu levo em consideração fatores relevantes, como: pesquisa de consumo interno dos partidos e candidatos, às quais tenho acesso, estrutura financeira de cada concorrente, o que ele vem realizando de atividades de campanha através das redes sociais, se é político de vários mandatos, sua notoriedade e aceitação popular e por fim o sentimento popular por onde tenho andado, em dezenas de bairros de Maceió e cidades do Estado”, disse ele ao Extra.

No seu levantamento, Marcelo diz que a próxima a bancada federal já  tem “nomes certos”: “Alguns candidatos a deputado, seja federal ou estadual, possuem estruturas para concorrer a cargos majoritários. A eleição em Alagoas é uma das mais caras do país, mas essa relação econômica está intimamente ligada com miséria e os currais eleitorais em cada região do Estado”.

Veja a projeção do professor para deputado federal

As projeções são feitas levando-se em conta que o quociente eleitoral para eleger um deputado federal vai ficar entre 158 mil a 163 mil votos.

Na coligação PRTB/ PPL/ PMN o favorito é o ex-prefeito da capital, Cícero Almeida. Quem pode pegar “carona” na de Almeida para a Câmara Federal é Val Amélio, filho do presidente do Tribunal de Contas do Estado, Cícero Amélio.

Na coligação PP, PPS, PSDC,PRP,PR,PSL,PSB, SD e DEM são favoritos Arthur Lira, Benedito de Lira, e Maurício Quintella.  João Henrique Caldas, Nivaldo Albuquerque, Régis Cavalcante e Fátima Santiago podem ter uma boa votação, o que pode abrir uma terceira vaga.

A coligação PV, PT do B, PMDB, PROS, PC do B, PSC, PHS, PTB, PSD, PDT e PT pode conquistar de 3 a 4 vagas na Câmara Federal, , segundo o professor Marcelo Bastos.  Givaldo Carimbão,  Marx Beltrão e Ronaldo Lessa, são apontados como três nomes certos na Câmara Federal em 2015. Brigam pela quarta e remota quinta vagas: Paulão e Rosinha da Adefal.

A coligação PSDB/ PRB luta para eleger Pedro Vilela.

 

Descrição do autor

Redação

Há 2 comentários. Adicione o seu

  1. 6 de outubro de 2014 | vinicius disse:
    Eu queria tirar uma dúvida, porque a coligação de renan filho fez 4 deputados, entre os 4 estão, Marx Beltrão, Carimbão, ronaldo lessa e Paulão, na qual Paulão disputava com rosinha.. Porque nivaldinho Albuquerque não entrou? Se a coligação dele teve uma boa votação. Por que que a coligação de biu só podia fazer 3 deputados no máximo e a renan filho podia fazer 4 e até 5?
  2. Edivaldo Junior
    6 de outubro de 2014 | Edivaldo Junior disse:
    Em razão do quociente eleitoral: o TRE soma o voto de todos os candidatos e dos Partidos (legendas) e quem tem mais leva mais. A coligação de Renan teve mais voto do que a de Biu para federal. Nivaldo teve muitos votos e poderia ter sido eleito se tivesse em outra coligação.

Participe da conversa