Graviola gigante chama a atenção no município de Limoeiro de Anadia

Uma graviola normal pesa em média 4kg, entretanto, o parâmetro não serve quando a fruta é comparada com o modelo produzido na cidade de Limoeiro de Anadia, Agreste de Alagoas. Na região, uma unidade da graviola pode chegar a 12 kg.

A variedade de graviola gigante começou a ser cultivada há mais de 30 anos, em Arapiraca. Após a descoberta do potencial do fruto, mudas de plantas foram distribuídas para agricultores e outros interessados em reproduzir esta espécie diferenciada.

Conhecido como Galego da Recanto, o agricultor Francisco Anacleto planta a graviola há oito anos. Segundo ele, que possui 267 pés da fruta em sua propriedade, há possibilidade de venda durante o ano inteiro, já que não há sazonalidade na produção.  “A fruta é muito boa e temos produção durante todo o ano. Já plantei mamão, macaxeira, mas a melhor opção continua sendo a graviola. Tenho outras espécies aqui, mas em menor quantidade”, explica o agricultor. Segundo ele, já chegaram a oferecer R$ 100 pela unidade da fruta.

Desenvolvimento da fruticultura

O APL Fruticultura no Agreste vem realizando uma série de ações para o desenvolvimento da fruticultura nos sete municípios que o Arranjo atende: Arapiraca, Taquarana, Coité do Nóia, Limoeiro de Anadia, Igaci, Palmeira dos Índios e Estrela de Alagoas.

De acordo com Rosete Albuquerque, gestora do APL, o cultivo de frutas no agreste tinha apenas um foco: a produção de Pinha. Mas, com as ações executadas pelo APL, outras frutas foram adotadas e a grande variedade de produtos dá destaque à região. “Os produtores entenderam que optar por outro cultivo geraria renda o ano inteiro, por conta da sazonalidade”, explica.

Ainda de acordo com Rosete, a região receberá uma fábrica de beneficiamento de frutas no município de Igaci, através de um convênio entre o Ministério da Agricultura e Governo de Alagoas. As obras terão início ainda neste primeiro semestre. “Com recursos já aprovados, as questões burocráticas já estão sendo resolvidas para darmos início às obras”, conta.

Serão investidos somente na unidade cerca de R$ 5,8 milhões, que beneficiará cerca de 2 mil produtores de 20 municípios alagoanos.

A unidade trabalhará, inicialmente, com o beneficiamento de 11 frutas, levando em consideração a fruticultura da região como abacaxi, pinha, caju, banana, graviola, entre outras. Entre os produtos estão geleia, doces, polpa e suco de frutas concentrado, além de frutas desidratadas.

Assessoria

Descrição do autor

Redação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa