Racha na base do governo afeta diretamente a chapa de federal

Quem entende de matemática eleitoral adverte: com duas chapas dá para eleger de quatro a cinco deputados federais. A regra vale para o “campo da oposição” e também para o governo.

Por  isso o esforço de algumas lideranças é tentar reduzir ao máximo o número de chapas proporcionais em cada lado.

Ronaldo Lessa acredita que o ideal é que saiam duas chapas na Frente de Oposição e já avançou nas conversas entre PDT, PT, PTdoB e PCdoB. A outra chapa deve ser puxada pelo PMDB de Luciano Barbosa e Marx Beltrão.  A dúvida é saber se o PRTB de Cícero Almeida e Antonio Albuquerque puxa outra frente ou se junta a um desses dois grupos.

No “campo” do governo a maior preocupação, hoje, é com a “surpresa” do PSDB. O desenho, agora é de três palanques: o de Alexandre Toledo (PSB e PPS) e de Eduardo Tavares  (PSDB e DEM) e Benedito de Lira (PP, PR, PSD, SDD, PEN, PHS e PSL). Só quem está indefinido é o PROS de Givaldo Carimbão.

O deputado federal Maurício Quintella avisa que o PR já bateu martelo e que vai de Benedito de Lira. O esforço, agora, é para formar as chapas proporcionais: “acredito que nosso grupo (PR,PP, PSD, PROS e SDD) tem condições de fazer dois ou três federais. Se a gente conseguir ampliar o número de partidos, fica melhor e podemos eleger de 4 a 5”, pondera.

Para Quintella, o ideal é que o grupo do governo tenha no máximo dois palanques; “Com dois palanques dá para fazer quatro a cinco federais. Com três palanques corremos o risco de fazer apenas três”, avalia.

No mesmo barco

Maurício Quintella pensou em entregar os cargos que tem no governo do estado – incluindo a Secretaria do Meio Ambiente. Mudou de ideia depois do que conversou com Téo Vilela: “perguntei se o candidato (Tavares) era do governo ou do PSDB. O governador disse que era do partido e que os outros candidatos também fazer parte do grupo e podem continuar no governo”.

As conversas devem continuar, apesar do afunilamento das decisões: “houve um grande avanço nas chapas majoritárias, mas acho que ainda temos muito caminho pela frente para fechar as proporcionais”, pontua Maurício.

Descrição do autor

Bccom Comunicação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa