Téo Vilela vai ‘desistir de desistir’: calma, é 1º de abril

Um assessor de Téo Vilela ensaiava, na noite desta segunda-feira uma pegadinha para esta terça-feira, 1º: “o governador desistiu de desistir. Ele vai anunciar hoje que é candidato”… depois de uma pausa, ele emendou: “é primeiro de abril”.

Téo Vilela tem, na prática, até a próxima sexta-feira para decidir se sai do governo. Se depender da opinião pública, ele fica. Uma pesquisa “quentinha” (1,5 mil entrevistados em todo o estado) mostra que 76% aprovam a decisão.

As pesquisas também mostram que Téo Vilela não teria chances, hoje, de ganhar a eleição para o Senado. Continuar com a “caneta na mão” até o final do ano além não oferecer riscos abre chances para que Vilela ajude a eleger aliados – ao menos para cargos proporcionais.

O vice, Zé Thomaz Nonô, que seria o principal beneficiado com a decisão de Vilela não espera que Téo Vilela deixe o governo antes de 31 de dezembro. Ele não nega que gostaria que o governador repensasse a sua decisão. “Torço para que ele deixe o governo, mas não acredito nessa possibilidade”, descontrai.

Na prática, ao não confirmar a “pegadinha” Vilela terá decidido não só o próprio destino, mas também o de muitos políticos. Ele já avisou que vai decidir quem apoiará (se é que vai apoiar alguém) até o final de abril ou início de maio.

Nonô, Luiz Otávio Gomes e Marcos Fireman – que dependem, hoje, de Téo Vilela para disputar o governo – terão, portanto, mais 30 dias para se viabilizar. Enquanto isso, Alexandre Toledo e Benedito de Lira vão continuar correndo “soltos”. Um destes cinco nomes será escolhido por Vilela. Eu não arrisco o menor palpite por enquanto. E você?

Descrição do autor

Bccom Comunicação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa