Vídeo mostra como fazer adubo orgânico 100% vegetal

Os adubos orgânicos, em sua maioria, utilizam esterco bovino e cama de aviário que, além de difícil obtenção e custo elevado, podem apresentar problemas de contaminação química e biológica. Mas a Embrapa Agrobiologia (Seropédica, RJ) desenvolveu uma tecnologia para produção de adubos e substratos orgânicos de origem 100% vegetal. E esta tecnologia já está ao alcance dos produtores de todas as regiões do País por meio do vídeo “Composto 100% vegetal”.

Produzido pela Embrapa Agrobiologia, UFRRJ e Pesagro-Rio, o vídeo tem duração de 15 minutos e mostra o passo a passo da tecnologia. De forma didática, são apresentadas, por exemplo, as matérias-primas que podem ser utilizadas, a proporção de materiais e a maneira ideal para montar a pilha de composto. Detalhes como a escolha do local, a formação e mistura das camadas, assim como o tempo necessário para cada etapa também são abordados.

Para o pesquisador da Embrapa Marco Antônio Leal, que desenvolveu a tecnologia e é um dos autores do roteiro, o vídeo pode auxiliar o agricultor a produzir o adubo orgânico na sua propriedade, pois além das informações necessárias sobre quantidade e proporção de materiais, as imagens facilitam o entendimento do processo. “O composto pode ser produzido tanto em grande escala como na pequena propriedade rural, já que utiliza um processo simples, que não necessita de grandes investimentos em infraestrutura”, complementa.

Segundo o pesquisador, os fertilizantes orgânicos e substratos obtidos a partir deste processo apresentam qualidade superior aos similares encontrados no mercado e podem ser utilizados também na agricultura orgânica. “Esses produtos são isentos de contaminação biológica, não utilizam adubos minerais e o seu custo pode ser muito inferior”, relata Leal.

O vídeo não será vendido. Ele está disponível na Videoteca Embrapa (http://youtu.be/pdvHiZvzCbE).

Compostagem: matéria orgânica que se transforma em adubo natural 
A compostagem é um processo natural onde os resíduos da propriedade passam por uma transformação biológica e tornam-se fertilizantes orgânicos ou húmus. Neste processo biológico há uma decomposição da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal. O resultado final da compostagem é o composto orgânico, que pode ser aplicado ao solo para melhorar suas características, sem ocasionar riscos ao meio ambiente.

Os principais benefícios da compostagem são: estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais capazes de absorver água e nutrientes do solo; aumento da capacidade de infiltração de água, reduzindo a erosão; mantém estáveis a temperatura e os níveis de acidez do solo (pH);dificulta ou impede a germinação de sementes de plantas invasoras (daninhas); ativa a vida do solo, favorecendo a reprodução de microrganismos benéficos às culturas agrícolas.

Esta técnica pode ser utilizada não só para nutrir o solo, mas também como forma de reciclar o lixo orgânico – esterco do gado, palhas, galhos, folhas de árvores e etc.

A compostagem envolve transformações extremamente complexas de natureza bioquímica, promovidas por milhões de microrganismos do solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes minerais e carbono. A Embrapa Agrobiologia vem estudando maneiras de tornar a compostagem ainda mais eficiente. Para isto, é necessário satisfazer certos requerimentos relacionados aos fatores que influenciam a atividade microbiana do solo, como temperatura, umidade, aeração, pH, tipo de compostos orgânicos existentes e concentração e tipos de nutrientes disponíveis. Esses fatores ocorrem simultaneamente, e a eficiência da compostagem baseia-se na interdependência e inter-relacionamento dos mesmos.

Assessoria

Descrição do autor

Bccom Comunicação

Ainda não há comentários.

Participe da conversa