Vigilância Sanitária intensifica fiscalização em estabelecimentos

A Vigilância Sanitária de Maceió (Visa) vem intensificando, desde o início deste mês, as ações de fiscalização e orientação educativa nos estabelecimentos comerciais que manipulam alimentos, principalmente os hotéis, bares e barracas da orla. Desde a última terça-feira (24), véspera de Natal, equipes estão de plantão em horários especiais.

Para fortalecer ainda mais as ações, a Visa promoveu na segunda-feira (23) um treinamento sobre investigação de surtos de Doenças Transmitidas por Água e Alimentos (DTA), destinado aos inspetores fiscais que vão atuar no Natal e Réveillon. A capacitação, ministrada pela nutricionista Jadna Moreira e pela bióloga Rita Almeida, teve como objetivo atualizar os profissionais e reforçar a atuação em conjunto da Vigilância Sanitária com a Vigilância Epidemiológica e o Laboratório Central de Saúde Pública de Alagoas (Lacen) na investigação de surtos por DTA.

“Nenhum desses órgãos atua sozinho para fechar um caso de surto, por isso precisamos trabalhar em parceria, com cada um exercendo seu papel com eficiência. Além da notificação do evento, que é compulsória para os três órgãos, cabe à Vigilância Sanitária a coleta de amostra do alimento e encaminhamento ao Lacen e aplicação das sanções legais cabíveis”, explicou Jadna.

Na ocasião, ela detalhou a competência da Vigilância Epidemiológica, por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), e do Lacen. Na investigação desse tipo de surto, a Vigilância Sanitária também realiza o rastreamento do local de produção dos alimentos, visando detectar possíveis falhas no controle da cadeia (aquisição, preparo e consumo).

“Para o Lacen desenvolver bem seu papel é preciso que nós da Vigilância Sanitária façamos a coleta do alimento da forma correta. A amostra não deve apresentar sinais de alteração ou deterioração. Também é importante observar as condições de acondicionamento, temperatura e embalagem”, destacou Rita Almeida.

Denúncia

Na sede da Visa, o Disque Denúncia funcionará das 8h às 18h. Qualquer pessoa que identificar algum risco sanitário pode ligar para o telefone 3315-5241 e denunciar. Não é necessário se identificar, mas o registro da denúncia só será realizado com o nome e endereço completo do estabelecimento, além de um ponto de referência.

Assessoria

Descrição do autor

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior

Edivaldo Junior é jornalista, colunista da Gazeta de Alagoas e editor do caderno Gazeta Rural

Ainda não há comentários.

Participe da conversa